Arquivo Augusto Pires Celestino da Costa

Available actions

Reader available actions

Digital representation

Digital representation thumbnail
 

Arquivo Augusto Pires Celestino da Costa

Description details

Description level

Fonds   Fonds

Reference code

PT/FCT/ACC

Title type

Controlado

Date range

1895  to  1956 

Dimension and support

Documentos textuais e iconográficos: papel A4 e outros formatos

Extents

0.08 Metros lineares

Holding entity

Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Producer

Augusto Pires Celestino da Costa

Biography or history

Augusto Pires Celestino da Costa (1884-1956) foi um médico, investigador e cientista português. Natural de Lisboa, filho de Pedro Celestino da Costa, coronel morto nos tiroteios da madrugada de 4 de outubro de 1910, graduou-se em Medicina pela Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, em dezembro de 1905, com uma tese sobre as glândulas supra-renais. Foi aluno de Mark Athias no Laboratório de Histologia do Hospital de Rilhafoles, «assistente livre» no Instituto Bacteriológico Câmara Pestana, entre 1907 e 1910, neste mesmo período realizando diversos estágios de curta duração no estrangeiro, dos quais se destacam os que realizou no Instituto Anátomo-Biológico de Berlim sob orientação de Oscar Hertwig, entre 1906 e 1907, e na Bélgica, no laboratório de Albert Brachet (1869-1930) com quem manteve correspondência.

Em 1910, reingressa na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa como «preparador de Histologia e Fisiologia» e pouco depois (em 1911), na sequência de concurso, veio a ocupar o lugar de assistente, da entretanto criada Faculdade de Medicina, na primeira Reforma do Ensino da nova República Portuguesa. Aqui fundou Celestino da Costa o Instituto de Histologia e Embriologia, juntamente com Pedro Roberto Chaves, Luís Simões Raposo e Alfredo Magalhães Ramalho. Pela mesma época, publicou trabalhos em revistas científicas internacionais como o Buletin de l'Académie Nationale de Médecine (Paris) ou o Compte-Rendu de l'Association des Anatomistes, agremiação de que foi membro a par de Mark Athias. Celestino da Costa era então, já por essa altura, especialista mundialmente reconhecido de Histologia e Endocrinologia, respeitado pelas suas investigações em torno da Morfologia e função das glândulas suprarrenais nos mamíferos.

Sócio fundador da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais em 1907, Celestino da Costa veio a integrar a direção do Aquário Vasco da Gama, com Mark Athias e outros especialistas portugueses, sob a direção de Anthero de Seabra. Mais tarde, assumiu a direção do mesmo equipamento (entre 1916 e 1923), sendo de permeio nomeado diretor do Laboratório Central de Análises Clínicas dos Hospitais Civis de Lisboa (em 1919). Com Mark Athias e Abel Salazar fundou, entretanto, os «Arquivos Portugueses de Ciências Biológicas» e a Sociedade Portuguesa de Biologia.

Bolseiro da Fundação Rockefeller, realizou uma estadia no Laboratório de Embriologia da Universidade de Londres (University College), em 1934.

Investigador diligente e prolífico, inteiramente empenhado no desenvolvimento da educação, da cultura e da ciência em Portugal, Celestino da Costa desempenhou um papel fundamental na inscrição da Ciência entre os negócios políticos, na Junta de Educação Nacional, de que foi sucessivamente vogal, vice-presidente («do ramo de sciências») e presidente, entre 1929 - ano da criação deste organismo - e 1936, ano em que assumiu a presidência do Instituto para a Alta Cultura. Próximo do entendimento de António Sérgio e do grupo da Seara Nova no conceito evolucionista da educação e do progresso científico e técnico, fora membro fundador da Liga de Acção Nacional e signatário do seu manifesto (1918), sócio e presidente da Sociedade de Estudos Pedagógicos, colaborador de «Homens Livres», publicação de vida efémera onde analisa « O problema da investigação scientífica em Portugal» (no nº 2, 12 de dezembro de 1923).

Grande amigo da cidade de Lisboa, a esta dedicou alguns estudos ou roteiros como «Introduction à la connaissance de Lisbonne», publicado pela Bertrand em 1933, ou a conferência que proferiu em 1941, no rescaldo das comemorações centenárias, sobre «Lisboa, capital de Portugal», tendo presidido à Junta Directiva do Grupo dos Amigos de Lisboa, em 1947. Assinou regularmente diversos verbetes sobre Medicina, Microscopia e Biologia na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, tendo publicado obras de divulgação científica pela Biblioteca Cosmos de Bento de Jesus Caraça, bem como livros técnicos especializados como o «Manual de Técnica Histológica» (realizado em parceria com Pedro Roberto Chaves), que teve uma primeira edição em 1921, destacada por Abel Salazar pela «notabilíssima realização». Em 1938 publicou, em francês, o seu Manual de Embriologia («Éléments d'embryologie», Paris, Masson et Ce., com 2ª edição de 1948), que teria uma versão castelhana em 1945. A ele se devem muitos dos esquemas e diagramas histológicos com que ilustrou os seus trabalhos científicos, bem como a promoção da microfotografia, técnica que historiou num opúsculo publicado em 1940.

Celestino da Costa assumiu, igualmente, a direção da Faculdade de Medicina e tomou parte ativa na realização do Congresso da Association des Anatomistes na cidade de Lisboa, em abril de 1933, uma proposta que remontava a 1927 quando com Albert Brachet na presidência, foi vice-presidente do Congrès da Association des Anatomistes realizado em Londres, nesse mesmo ano. Foi secretário-geral da Sociedade Anatómica Portuguesa e, entre 1946 e 1949, presidente da direção da Sociedade das Ciências Médicas de Lisboa.

Em 1947, o seu nome integrou a lista de personalidades abrangidas pela pena de aposentação compulsiva decretada pela Presidência do Conselho em 18 de junho. Reintegrado, professor jubilado da Faculdade de Medicina de Lisboa (FML), continuou a sua atividade como investigador e diretor do Instituto de Histologia e Embriologia (IHE).

Augusto Celestino da Costa faleceu em Lisboa, em 27 de março de 1956, no decurso da 43ª reunião da Association des Anatomistes a cujos trabalhos assistia na qualidade de presidente. Membro de diversas agremiações internacionais de ciência, entre as quais a Association des Anatomistes (de França), o Colégio Anatómico Brasileiro e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a Zoological Society of London, a Académie Royale de Médecine de Belgique, de que fora eleito membro honorário correspondente estrangeiro, em 1939, membro titular do Institut International d'Embryologie, foi distinguido com o grau de Doutor Honoris Causa pelas faculdades de medicina de São Paulo (Brasil), Bordéus, Toulouse e Montpellier. Celestino da Costa foi, igualmente, Conselheiro de honra do Consejo Superior de Investigaciones Científicas de Espanha, agraciado com o grau de Comendador da Légion d'Honneur de França, em 14 de junho de 1951. Celestino da Costa deixou uma extensa obra bibliográfica, técnica e científica - privilegiando a Histologia, a Embriologia, a Endocrinologia, a Biologia Celular, a Microscopia -, mas também cultural e cívica, em prol da educação científica e da investigação nacional.

Geographic name

Portugal, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Avenida Prof. Egas Moniz, 1649-028 Lisboa; Portugal, IHE - Instituto de Histologia e Embriologia - Faculdade de Medicina de Lisboa, Avenida Prof. Egas Moniz, Lisboa. Junta de Educação Nacional.

Functions, ocupations and activities

Augusto Celestino da Costa foi investigador, professor e diretor da Faculdade de Medicina de Lisboa, membro fundador do Instituto de Histologia e Embriologia. Foi também administrador e ativo promotor de políticas públicas de ciência, tendo desempenhado funções de vogal, vice-presidente e presidente da Junta de Educação Nacional. Foi presidente do Instituto para a Alta Cultura e membro de numerosas agremiações e sociedades científicas nacionais e internacionais.

General context

Celestino da Costa iniciou a sua atividade científica e cultural em 1904-05, nos anos finais da Monarquia, graduando-se na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa. Desde então o seu nome associou-se à promoção da investigação científica portuguesa, assim como à promoção de uma política de gestão de ciência, de formação científica e de educação universitária, que não deixou nunca de encorajar e defender publicamente até ao seu falecimento, em 1956. A documentação produzida reflete pois as qualidades de investigador e humanista empenhado que foi Celestino da Costa, no contexto político nacional (mas também internacional), entre os anos 20 e 40, ou seja, no quadro de afirmação da República portuguesa e do seu novo regime parlamentar, até à instauração plena da ditadura do Estado Novo. A documentação acompanha, pois, o percurso de Celestino da Costa enquanto professor e diretor do Instituto de Histologia e Embriologia da Faculdade de Medicina de Lisboa, investigador ativo em redes internacionais de ciências, membro comprometido com diversas sociedades científicas e organismos de governação de ciências, na primeira metade do século XX.

Custodial history

Documentação acumulada e conservada por José Francisco David Ferreira, na qualidade de investigador e docente, diretor do Instituto de Histologia e Embriologia, antigo aluno e assistente de Celestino da Costa.

A presente coleção documental permaneceu, na sua maior parte, no Instituto de Histologia e Embriologia da Faculdade de Medicina de Lisboa.

A documentação autógrafa, produzida por Augusto Celestino da Costa ou a ele dirigida por diversas personalidades, foi isolada e extraída do restante conjunto de documentação do Arquivo David Ferreira.

Acquisition information

Documentação doada à Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) por via de um protocolo celebrado entre esta instituição, a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, em 28 de maio de 2013. A documentação incorporada na FCT proveio de duas fontes complementares: do gabinete que José Francisco David Ferreira ocupou na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, até à data do seu falecimento em 2012; da residência do mesmo investigador e académico, tendo sido entregue de forma faseada pelos herdeiros de José Francisco David Ferreira.

Scope and content

A documentação preservada relaciona-se com as atividades que Celestino da Costa desempenhou ao longo da vida: investigador, professor, gestor público de ciência. O acervo inclui, maioritariamente, provas de autor de artigos científicos, correspondência trocada entre Celestino da Costa e outras personalidades das ciências e da cultura portuguesas, recortes de imprensa, e outros numerosos escritos de caráter profissional como relatórios, pareceres, atas da Junta de Educação Nacional ou do Instituto para a Alta Cultura. Entre a documentação, encontram-se ainda alguns escritos esparsos do filho de Augusto Celestino da Costa, Jaime Augusto Croner Celestino da Costa (1915-2010) que fora aluno do pai, médico como ele e, desde 1941, assistente da Faculdade de Medicina de Lisboa; mais tarde foi chefe de serviço do Hospital de Santa Maria.

Arrangement

A documentação foi, provavelmente, reorganizada por José Francisco David Ferreira na qualidade de colecionador/compilador, mantendo-se tanto quanto possível a ordenação original.

Access restrictions

Decreto-Lei nº 16/93, de 23 de Janeiro, Regime geral dos arquivos e do património arquivístico (alteração: Lei nº 14/94, de 11 de Maio); Lei nº 67/98, de 26 de Outubro, Lei da protecção dos dados pessoais.

Conditions governing use

A reprodução de documentos obedece ao estipulado no Regulamento do Arquivo Histórico de Ciência e Tecnologia da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P.

Language of the material

Em português (por), contendo documentos em outras línguas, nomeadamente inglês (eng), francês (fra), espanhol (spa) e alemão (ger).

Physical characteristics and technical requirements

O estado de conservação do acervo, no seu conjunto, é razoável. No entanto, uma parte da documentação incorporada requer restrição no seu manuseamento, pois encontra-se em mau estado (papel amarelecido, manchado, rasgado e deteriorado nas margens). Esse envelhecimento é atribuível à antiguidade e a más condições de conservação, bem como à prática frequente da reutilização de suportes em Celestino da Costa.

Other finding aid

Tabela de dados